"Everyone Wants To Be Found"

23
Set 08

Chegámos ao terceiro dia e após uma aventura à tarde com vento e sol, uma aventura de manhã com chuva só nos faltava mesmo um dia como aquele com que nos deparámos quando acordámos. Não é que estava um nevoeiro cerrado!

Saíram logo pelo acordar uns bons raios e coriscos. É que estávamos mesmo fisgados. "Queríamos ir mais um dia para o rio kayakar!"

Estivemos para desistir, pois ir para o rio com aquele tempo ou se conhece muito bem o caminho ou iríamos perder-nos de certeza.

Conferenciamos e chegámos à brilhante conclusão que assim a aventura ainda iria ser mais emocionante. O fixe que seria se nos perdêssemos, blá..blá...blá! Parecíamos uns miúdos a fazer filmes e conjecturas do que iria ser o nosso brilhante passeio.

- A nossa falta de juízo é mesmo assim, está-nos entranhada no sangue! -

E lá fomos nós todos contentes com o objectivo final de chegar a uma ponte romana. Objectivo esse traçado pelo F., mais ajuizado que os outros (está a ficar velho. Coitado!).

Pois esse caminho ele já o conhecia por o ter feito mais do que uma vez.

Lá deixamos desta vez as mulheres a dormir e fizemo-nos à aventura sozinhos, o que nos criava o velho problema, fossemos para onde fossemos teríamos sempre que voltar ao ponto de partida.

Aqui ficam as fotos do "Mundo das Brumas de Avalon" como a minha amiga gira e simpática lhes chamou.

O percurso

Trajecto

O JC e o F. a comandarem as tropas.

Zêzere

 Estava espectacular! Não acham?

Zêzere

 Por vezes não se via népia.

Zêzere

 Mas quando abria um pouco ficava assim.

Zêzere

 E tivemos outra vez o prazer de ter uma garça a acompanhar-nos. Conseguem vê-la?

Zêzere

  O rio começava a estreitar e o nevoeiro a levantar, adivinhava-se o fim do caminho.

Zêzere

 Até que chegamos ao fim e nada da ponte. Tivemos que pôr pés ao caminho.

Zêzere

 Ao fim de alguns trambolhões e tropeções pelos calhaus do leito do rio lá

  avistámos ao fundo o nosso objectivo.

Zêzere

 Afinal valeu bem a pena os tropeções! Ainda por cima um sitio a que só se chega

  como o fizemos, pelo rio ou pelos caminhos dos montes a pé.

Zêzere

Na volta ao ponto de partida o JC desafiou-nos (a mim ao F. e ao M., o meu companheiro de remos para quem deixo a minha menção honrosa pela facilidade com que se adaptou e integrou neste grupo de doidos) para uma nova aventura.

Combinámos dar a boa nova aos interessados em casa à hora do almoço. Claro que houve algumas pessoas

que perderam o apetite... só com o susto!

É que a nossa próxima aventura é ir de Peniche às Berlengas e das Berlengas retornar a Peniche!

Peniche-Berlengas

Ai, que vai doer !!!!!!

 

 

 

publicado por Lupus Ibérico às 23:53

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12

14
16
17
18
19
20

21
24
25
26



mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO