"Everyone Wants To Be Found"

23
Set 08

Chegámos ao terceiro dia e após uma aventura à tarde com vento e sol, uma aventura de manhã com chuva só nos faltava mesmo um dia como aquele com que nos deparámos quando acordámos. Não é que estava um nevoeiro cerrado!

Saíram logo pelo acordar uns bons raios e coriscos. É que estávamos mesmo fisgados. "Queríamos ir mais um dia para o rio kayakar!"

Estivemos para desistir, pois ir para o rio com aquele tempo ou se conhece muito bem o caminho ou iríamos perder-nos de certeza.

Conferenciamos e chegámos à brilhante conclusão que assim a aventura ainda iria ser mais emocionante. O fixe que seria se nos perdêssemos, blá..blá...blá! Parecíamos uns miúdos a fazer filmes e conjecturas do que iria ser o nosso brilhante passeio.

- A nossa falta de juízo é mesmo assim, está-nos entranhada no sangue! -

E lá fomos nós todos contentes com o objectivo final de chegar a uma ponte romana. Objectivo esse traçado pelo F., mais ajuizado que os outros (está a ficar velho. Coitado!).

Pois esse caminho ele já o conhecia por o ter feito mais do que uma vez.

Lá deixamos desta vez as mulheres a dormir e fizemo-nos à aventura sozinhos, o que nos criava o velho problema, fossemos para onde fossemos teríamos sempre que voltar ao ponto de partida.

Aqui ficam as fotos do "Mundo das Brumas de Avalon" como a minha amiga gira e simpática lhes chamou.

O percurso

Trajecto

O JC e o F. a comandarem as tropas.

Zêzere

 Estava espectacular! Não acham?

Zêzere

 Por vezes não se via népia.

Zêzere

 Mas quando abria um pouco ficava assim.

Zêzere

 E tivemos outra vez o prazer de ter uma garça a acompanhar-nos. Conseguem vê-la?

Zêzere

  O rio começava a estreitar e o nevoeiro a levantar, adivinhava-se o fim do caminho.

Zêzere

 Até que chegamos ao fim e nada da ponte. Tivemos que pôr pés ao caminho.

Zêzere

 Ao fim de alguns trambolhões e tropeções pelos calhaus do leito do rio lá

  avistámos ao fundo o nosso objectivo.

Zêzere

 Afinal valeu bem a pena os tropeções! Ainda por cima um sitio a que só se chega

  como o fizemos, pelo rio ou pelos caminhos dos montes a pé.

Zêzere

Na volta ao ponto de partida o JC desafiou-nos (a mim ao F. e ao M., o meu companheiro de remos para quem deixo a minha menção honrosa pela facilidade com que se adaptou e integrou neste grupo de doidos) para uma nova aventura.

Combinámos dar a boa nova aos interessados em casa à hora do almoço. Claro que houve algumas pessoas

que perderam o apetite... só com o susto!

É que a nossa próxima aventura é ir de Peniche às Berlengas e das Berlengas retornar a Peniche!

Peniche-Berlengas

Ai, que vai doer !!!!!!

 

 

 

publicado por Lupus Ibérico às 23:53

22
Set 08

Venho por este meio esclarecer as audiências do meu blog, assim como a minha querida amiga do coração RC, o comentário que muito gentilmente me deixou no post anterior.

Adorei! Começava a achar que andava a pregar aos passarinhos!

Mas vejo afinal que os meus amigos andam atentos ao que por aqui se escreve.

De facto neste dia ela, a mana mais nova e a mamã fizeram o favor de se levantarem ás 6 da manhã para nos acompanharem ao ponto de partida e posteriormente ficarem com o carro para nos irem apanhar ao ponto de chegada.

Isso era o combinado e lá fomos nós os quatro da vida airada descer o rio até Dornes bem descansadinhos, acreditando que podíamos confiar nas mulheres.

Quando chegámos a Dornes para nosso espanto ninguém se encontrava à nossa espera.

Telefonema para aqui, telefonema para ali e nada. Que teria acontecido????

As nossas cabecinhas começavam a tecer teias de conspiração e preocupação.

Ter-se-iam perdido? Teriam tido algum problema? Por onde andavam? Porque não atendiam o telemóvel? Estão a ver, não é?

Eis que se faz luz e ao fim de algumas desesperadas tentativas lá atenderam.

Vocês nem vão acreditar como nós na altura também não.

Não é que as nossas compinchas de aventuras a quem tínhamos confiado as nossas queridas vidinhas andavam às compras em Ferreira do Zêzere, a uns bons km´s dali!

Pois é.....!

No entanto, fica aqui o meu agradecimento público à minha querida amiga RC, pois sem ela algumas das mais hilariantes aventuras que temos tido, nunca seriam possíveis!

PS: o desenho não se encontrava feito numa parede, mas sim num quadro antigo de ardósia.

Estava lindo não estava? E já agora qual será a religião da menina?

 

 

publicado por Lupus Ibérico às 00:23

15
Set 08

O segundo dia foi combinado ao pormenor na noite anterior e iríamos descer o rio desde a Foz do Alge até Dornes.

Só não contámos com a má disposição do São Pedro e acabámos por apanhar umas molhas, mas até foi agradável e a paisagem e o rio nesse dia estavam excelentes.

Aconselho vivamente a quem puder, fazer este percurso. É fantástico!

O percurso.

 

Percurso do 2º dia.

A partida com uma paisagem idílica por trás.

Foz do Alge

Foz do Alge

Rio ZêzereRio Zêzere

Rio Zêzere

Rio Zêzere

Rio zêzere

Ao fundo o nosso Objectivo.

Dornes

E a garça que nos fez companhia grande parte do caminho.

Rio Zêzere

De onde tinhamos vindo, visto de Dornes.

Rio Zêzere visto de Dornes

E a melhor imagem de Dornes. Para quem conheçe reve aqui esta pequena e linda aldeia.

Dornes

E no final do dia o nosso jantarinho na Zaboeira com vista para o pôr do sol no rio.

Lembram-se? Tinhamos marcado no dia anterior !

Ainda tenho o sabor daqueles achigãs fritinhos. Hummm!

Zaboeira

 


13
Set 08

Quem me conhece sabe que adoro água. A juntar á água quase todas as actividades com ela relacionados me deixam entusiasmado, principalmente canoagem ou mais propriamente Kayake.

Tanto me perco num simples olhar para o mar como me sinto em liberdade a percorrer as águas em kayake, apesar de ser um amador nessas artes de navegar. É só mesmo prazer!

Partilho este gosto com um número restrito de amigos (dos verdadeiros!), sabem?

Sempre ou quase sempre que nos juntamos por terras do centro do país, mais propriamente na barragem de Castelo de Bode para aos lados de Fernandaires onde já quase todos nos conhecem (como os malucos que por ali aparecem de vez em quando e verdade seja dita também não fazemos nada para mudar as opiniões!) não perdemos a oportunidade de dar umas voltinhas de kayake faça o tempo que fizer como poderão comprovar por estes 3 passeios em 3 dias seguidos que aqui vos deixo.

 

Preparativos do 1º dia - Pela primeira vez conseguimos pôr 3 kayakes em cima de um carro.

Passeios no Zêzere

Passeios no Zêzere

Percurso do 1º dia - Só para irmos marcar o nosso jantar do dia seguinte no restaurante da Zaboeira.

Passeios no Zêzere

Passeios no Zêzere

E lá ia o JC e a B. ao fundo bem embalados a puxar por nós.

Passeios no Zêzere

Passeios no Zêzere

E por fim lá ao fundo a Zaboeira e o restaurante bem em frente.

O que se passou entretanto para marcar o jantar para 14 pessoas foi uma verdadeira e hilariante aventura,

ainda por cima não tinhamos levado as carteiras e queriamos beber umas águas e uns cafés, mas bebemos!

Estão a ver não é? Acho que devemos ter um ar muito convicente apesar do aspecto que tinhamos.

Foi bem engraçado e ainda rimos durante uma boas horas com o sucedido.

Passeios no Zêzere

Depois só tivemos que voltar para trás. Ao todo para marcar um jantar foram só aproximadamente 12km.

Valeu bem a pena.

 

publicado por Lupus Ibérico às 00:59

Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO